Serração da Velha

Esta tradição, muito antiga e de origem pagã, não é exclusiva de Carreço. Após alguns anos de “pausa”, a Ronda Típica resolveu reavivá-la, reunindo no centro da Freguesia, jovens e menos jovens. A Serração da Velha realiza-se na noite de quarta-feira que precede o terceiro domingo da Quaresma, chamado domingo “laetare”, em alusão ao salmo da entrada que caracterizava a missa realizada em latim. Era uma espécie de pausa no rigor do jejum e da penitência quaresmal. Pensa-se que a velha estará relacionada com um casal que não tinha herdeiros e que assim, optou por distribuir os seus bens pelos jovens da Freguesia. Para a Serração, eram necessários dois espantalhos, representando um casal de velhos, um testamento e uma algazarra ao som dos tambores, latas velhas e zaquelitraques feitos de rapares. Os velhos podiam celebrar um acontecimento menos decoroso ocorrido na freguesia. Os versos, tanto para os rapazes como para as raparigas, pretendiam denunciar defeitos pessoais. No início da Quaresma, os rapazes juntavam-se na Fontainha e faziam barulho até ao dia da Velha com búzios ou corno no monte. Os espantalhos são preparados com armação de madeira, cobertos com roupas velhas e colocados numa penha, percorrendo o lugar ao som de latas velhas, de zaquelitraques e de búzios. Chegados ao largo, apeiam a velha e lêem o testamento. Finalmente, é queimada a velha. É esta a tradição que a Ronda Típica de Carreço resolveu levar novamente para as ruas, reavivando a memória dos mais antigos e transmitindo a cultura popular carrecense aos mais jovens, criando momentos de alegria nas noites de Quaresma.

São João

Os Santos populares eram, tradicionalmente, comemorados na noite antes e no dia respeitante ao Santo. Faziam-se bailes nos caminhos, os chamados terreiros, que, no lugar de Carreço, eram no Campo da Cal e, no lugar de Troviscoso, na Eira de São João. Juntamente com o baile, havia sardinha assada e vinho. Tanto o baile como os petiscos eram organizados e subsidiados pela mocidade do lugar. As pessoas tinham o hábito de fazer fogueiras para afastar os bichos e os espíritos maus. Durante o serão, saltava-se à fogueira.

Rusgas de Concertinas

As rusgas de concertinas são caracterizadas um grupo de tocadores que mostram os seus dotes musicais em convívios diversos, desde reuniões familiares até animações culturais, como a Feira do Livro em Viana do Castelo, as Feiras Novas em Ponte de Lima ou a Animação de Verão em Barroselas.