Traje de Noivo

O noivo usa um fato idêntico ao fato rico, com chapéu preto, de feltro e aba larga; casaca preta, de fazenda, a abotoar com alamares e presilhas; camisa branca, de linho, bordada a branco no colarinho, punhos e na frente; ao pescoço usa um laço feito com fita preta, de cetim; na cinta, uma faixa de lã preta; calças pretas, de fazenda, com pinças; meias pretas; lenço branco e sapatos pretos, de salto raso, com atacadores.

Traje de Noiva

A noiva veste saia de fazenda ou brocado, preto, com barras de veludo preto, bordada a vidrilhos e missangas, adornadas com folhos de cetim preto. No fundo termina com um folho de cetim preto; casaca preta, feita do mesmo tecido da saia, abotoa à frente, é bordada a vidrilhos e missangas no pescoço, nos punhos, na frente e na cintura, terminando os punhos em renda branca, assim como no pescoço; o avental é de veludo preto, bordado a missanga e vidrilhos, terminando com um folho de cetim ou renda preta; na cabeça leva um lenço de seda de cor pérola ou um véu de tule, preso no alto da cabeça e a cair sobre os ombros; as meias são brancas, de algodão, rendadas, feitas à mão; usa chinelas pretas de verniz ou calfe, lisas; na mão, com o pé envolto num lenço de linho bordado à mão, leva um ramo de flores brancas; tem como adorno brincos à rainha  e ao peito usa cordões, custódias, borboleta, sendo todo o ouro que possui e leva como dote.

Traje de Monte

Este fato era usado no inverno para ir ao monte, composto de casaca de fraldilha, tecida em tear com lã e estopa, sendo substituída por uma blusa de chita, quando a temperatura estava mais amena; saia abregastada, tecida em tear; avental tecido no tear, de riscas longitudinais, sempre ao gosto da pessoa que o vai usar, também pode ser um avental de chita; como adorno só usa brincos; na cabeça usa um lenço de lâ, sem franja; calça botas altas, até ao joelho, feitas em couro e pau de amieiro, para proteger as pernas do mato.

Traje de ir à Veiga

Este fato era usado ao domingo, para ir à veiga com as vacas para que estas pudessem comer a erva dos pastos. Era um fato mais complexo e mais rebuscado que o usado ao longo da semana. Compunha-se de uma saia de algodão de risca preta, avental de riscado vermelho ou azul, um colete com uma parte inferior preta e a superior florida, uma camisa de linho bordada a branco, um lenço sem franjas na cabeça. Nos pés, usavam-se socos. Como era domingo, a mulher usava algum ouro.

Traje da Malhada

Este fato era utilizado para a ceifa e a malhada do trigo. A mulher usa uma saia branca de estopa com uma barra que podia ser de várias cores: vermelho, verde, amarelo, azul, cor de rosa ou cor de laranja, dependentemente do gosto de cada pessoa, ou então podia ter a barra quadriculada. No caso de luto, e quando este era já longo, a barra da saia podia ser quadriculada, branca e preta. A blusa é de chita florida, bem como o avental, a condizer com a blusa, florido sobre um fundo branco. Socos e chapéu de abas largas completam o traje. A saia da malhada era utilizada nas malhadas, mas também por de baixo das saias que se levava para o campo. No caso de estar calor, podia-se tirar a saia e ficar coma branca.

Traje de Campo Domingueiro

Este traje era usado pelas mulheres, quando ao domingo iam levar o gado a pastar para o campo. É composto de lenço de cochiné, de lã que pode ter várias cores, ao gosto de quem o usa; a saia é de lã preta, tecida em tear, com riscas longitudinais pretas e brancas, com forro e barra de tecido de lã preta e liso; o avental é também tecido em tear, com riscas longitudinais, sempre ao gosto da pessoa que o vai usar. Este avental pode ter na parte superior as riscas mais largas do que as riscas da parte inferior; a camisa é de linho, mas sem bordado; o colete é de fazenda escura, na parte de inferior e pano florido na parte superior; a algibeira a condizer com o colete; usa brincos; calça socos pretos, em forma de pau, geralmente forrados.

Traje Domingueiro ou Feira

Este traje era usado pelas mulheres, ao domingo para irem à missa, para namorar e mesmo para irem feirar. É composto de lenço de cochiné, de lã que pode ter várias cores, ao gosto de cada uma; a saia pode ser de linho, com barra de fazenda, lisa, pode ser preta, vermelha ou azul ou então a saia do traje de Campo Domingueiro, tecida em tear; o avental é também tecido em tear, em lã, com motivos geométricos ao gosto de cada uma, ou da tecedeira; usa brincos e pouco ouro ao pescoço; o colete é de fazenda escura, na parte de inferior e pano florido na parte superior, adornado com espiguilha; a camisa de linho, bordada em azul, sendo mais claro do que o azul da camisa da lavradeira; a algibeira a condizer com o colete; usa meiotes de algodão, rendados, feitos à mão; calça socos pretos, em forma de pau e para ir à feira calça chinelas pretas lisas.

Traje Feitor ou Feirar

Este era o traje que os feitores usavam para se destacar dos restantes trabalhadores, usado também para ir à feira. É composto de chapéu preto, de feltro e aba larga; calça e colete de cotim; camisa branca, de linho, sem bordado; à cinta, faixa preta, de lã; meias pretas e botas de salto raso, pretas e de atacadores; na mão leva um cajado para apoio.

Traje de Ceifeira

Este é um fato usado para os trabalhos do campo. A mulher veste uma saia abregastada, saia essa tecida com algodão e lã de ovelha, fiada, tingida em casa e depois tecida, com barra quadriculada branca e preta. O avental tem riscas largas vermelhas e outras mais finas verdes e pretas. As camisas podiam estar bordadas a branco ou não apresentar qualquer bordado. Os coletes são altos, não são vermelhos, nem costumam ter veludo. Se o têm, é veludo preto. A parte superior é florida. O lenço pode ser verde, cor de laranja ou vermelho; é posto do lado direito a cobrir esse ombro e aperta do lado esquerdo. Para calçar, usam-se socos. Não se usam adornos: nem brincos, nem cordões.

Traje de Trabalho de Campo e Monte

Este fato era utilizado quando o homem ia trabalhar para o campo. É composto por umas calças de fraldilha (pano grosseiro de estopa e lã castanha), camisa de linho ou de estopa sem bordados, faixa preta com franjas à cinta, chapéu de palha e socos. Para ir ao monte, o homem usava o mesmo traje. Como calçado, usava umas chancas, sendo este elemento a única diferença com o fato de trabalho no campo.

Traje de Lavradeira

A senhora veste uma saia, tecida com lã ou algodão, de risca vermelha, com uma barra preta, sem qualquer bordado (a ausência de bordados é característica de Carreço). O avental tem o fundo vermelho, com motivos tecidos a rosa, amarelo, verde e branco. A algibeira, colocada do lado direito e bordada com missanga e lantejoula, não é totalmente coberta pelo avental. Nela, tem um lenço que deve ser pequeno, para não fazer muito volume e não cobrir o bordado. A camisa é de linho, com bordados azuis. Por cima, tem um colete vermelho, com uma barra de veludo preto, bordado a missanga e lantejoula, com espartilhos nas costas, apertando a moça para a tornar importante e elegante. Para resguardar o peito, coloca-se um lenço por cima do colete, mas de forma a que não tape o bordado da parte de trás, a enrolar sobre a camisa e a rematar o decote desta. O decote das raparigas de Carreço sempre as diferenciou. É sobre ele que usam o ouro: fios, custódias, estrelas, medalhas, etc. Nas orelhas, usam brincos à rainha. Para cobrir o cabelo, o lenço é posto de forma a dar um nó em cima da cabeça. As meias bordadas podiam ser feitas, antigamente, pelas próprias pessoas. Usam-se duas saias brancas: uma travada que não deixa ver as pernas; outra de roda, franzida em cima, com um bordado inglês em baixo.

Traje Rico do Homem

O fato rico do homem era composto por uma calça preta, uma camisa de linho bordada a azul, uma faixa vermelha, uma casaca e um chapéu pretos e botas de solas com cordões. O homem sempre se vestiu de acordo com a época, pelo que o seu traje ia variando, mas a camisa de linho bordada e o chapéu foram usados por todo o século XIX . Também a casaca era usada, se bem que durante poucas décadas.

Traje de Dó

Este fato tem exatamente as mesmas peças que o fato de lavradeira: saia, avental, algibeira, camisa de linho, colete, lenço do peito e lenço da cabeça. A diferença está na substituição da cor vermelha, pelo azul. Antigamente, estes fatos eram usados pelas moças que estavam de luto ou pela esposa cujo marido se encontrava ausente, a trabalhar noutra região ou país.